Do Repertório

Luiz Cláudio de Santos

Por Luiz Cláudio de Santos

Repertóriorepertório


Buenossss.

Gosto muito de bar. 

Certa vez escrevi: ‘Quantas e quantas canções antológicas da nossa música popular foram escritas em mesas de bar. O bar é um território livre, onde toda a gente se vê, toda a gente conversa, toda a gente ri, toda a gente chora, toda a gente canta, toda a gente vive a vida’.

Pois é. E por gostar de bar, gosto de tocar em bar. Gosto do clima. Há bem pouco tempo atrás estava eu tocando num boteco com outros dois músicos e um deles, todo nervosinho, de cara feia, reclamou: ‘Que saco, essa gente falando alto, não fazem silêncio, não aguento mais isso’, no que respondi: ‘Cara, isso aqui é um bar, que vende bebidas, as pessoas estão aqui pra ver a gente, mas também pra encontrar amigos, bater papo, relaxar. Se quer silêncio, só toque em teatros e esqueça os bares’. 

E é por aí. Particularmente, estou nem aí pra barulheira toda, gente falando, bandeja batendo, copo quebrando. Certa feita, eu, terminando de cantar uma canção, falei ao microfone: ‘Acabamos de ouvir a canção ‘tal’ (não lembro qual era) em um belo arranjo para voz, violão e liquidificador’. As pessoas riram, descontraiu o ambiente. 

Bom.

Mas nem tudo são flores. Há pessoas que não tem educação. E olhe que não é por causa de bebida, visse, porque educação é educação. Há pessoas que simplesmente não respeitam o músico, não são capazes de perceber que estamos ali trabalhando e que não somos ‘jukeboxes’, cazzo. Fácil não.

Então. Este que vos fala, acreditem, já tocou em tudo que foi lugar para os mais diversos tipos de ‘gentes’. E precisava tocar os mais diversos tipos de sons. Os ‘sucessos do momento’. Aqueles sons que, como diria ‘Sir’ Paul McCartney, eram como ‘espuma de cerveja’. Mas trabalho é trabalho. E justamente por essa razão, eu, Luiz, paulatinamente, pacientemente, com muito custo, muita batalha, no passar dos anos, fui lapidando, fui trazendo o meu repertório para um patamar mais bacana, de melhor qualidade, com todo respeito aos outros sons, mesclando canções próprias, belas canções de minhas grandes influências e consegui, grazie a Dío, formar um público específico e hoje posso dizer que toco um repertório de canções de excelente nível e, talvez por isso, eu vá tocar nos botecos com tanta alegria e determinação. 

Sometimes as pessoas pedem e tento interpretar alguma canção fora das que costumo cantar, se possível. Há uma certa ‘pressão’, quando você está em um local com grande lotação, para fazer um repertório mais ‘arroz de festa’, gíria antiga de antigos músicos da noite.

gfgfgfgfgfgg

Ontem toquei com um dos meus dois trios (rararará) num boteco, ali próximo à Avenida Ana Costa, estava meio vazio. Pena. Aí, sem aquela ‘pressão’ de estar com grande lotação, como eu disse ali atrás, a gente pôde tocar canções mais rebuscadas, o que chamamos de ‘Lado B’, outra gíria antiga. Cara, foi muito bom. Ao final da apresentação, fomos muito elogiados, repertório diferente, bem executado, o pequeno público presente adorou. Ficamos muito felizes, é isso o que nos move.

Pois é, é como diz a canção:

‘Mesmo com toda a fama,

Com toda a brahma,

Com toda a cama,

Com toda a lama,

A gente vai levando,

A gente vai levando,

A gente vai levando,

A gente vai levando essa chama’.

Mais uma vez, obrigado, Deusa Música.

Aliás, por falar em Deusa Música, parabéns às minhas filhas e a todas as mulheres, salve 8 de Março.

Besos a todes, inté.

LEIA TAMBÉM
Luiz Cláudio de Santos
Últimos posts por Luiz Cláudio de Santos (exibir todos)
5 2 votos
Classifique este artigo
guest
4 Comentários
Mais antigos
Mais novos Mais votados
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
Bruna Pereira
Bruna Pereira
2 meses atrás

Toca Raul!!!

Barbara
Barbara
2 meses atrás

E vai levando… hehehehe

Nada como o tempo pra ir moldando e chegar onde gostaria de verdade!

melhor público menor e bom que um grande que não está nem aí, né?! Fico contente que tenha sido bacana! 🙂

até a próxima 🙂

Mário Sérgio Soares
Mário Sérgio Soares
2 meses atrás

Todo artista tem de ir aonde o povo está. E onde o povo está pode ter sertanojo, funck, pagodão…. Feliz ( e parabéns a) aquele que consegue equilibrar repertório que mescle qualidade e aceitação popular! Salve Negron

Léo Ribeiro
Léo Ribeiro
2 meses atrás

É sempre um grande prazer ouvir suas canções!
Beleza pura!

Scroll to top
4
0
Eu quero saber a sua opinião. Comenta aqui em baixo e vamos discutir esse assunto!!x
()
x