Dos instrumentos de trabalho

Luiz Cláudio de Santos

Por Luiz Cláudio de Santos

instrumentosinstrumentos


Buenossss.

Daí que fomos contratados, eu, Peri Oliveira e Carlão do Tempero, o ‘Música da Gema’, para tocar num aniversário que rolou na emblemática Ilha das Palmas, no diferenciado Clube de Pesca de Santos que, como o Iate Clube de Santos, ficam no Guarujá. Rararará. Bem.

Lugar maravilhoso, paradisíaco, a festa muito bem cuidada e, por ser sábado, uma belíssima feijoada. A aniversariante, Juliana, e o seu marido, Thiago, jovens, pessoas muito bacanas.

Montamos o som, passamos as vozes, os instrumentos, tudo nos trinques, como dizia aquele personagem daquela novela de tv.

Iniciamos o baticum às 13h05, mas já estávamos a postos britanicamente às 13h, horário combinado.

A festa ocorreu em uma varanda de frente para a baía, um marzão sem fim, lindo. Pessoal dançou, cantou, pulou, muito bom. E aquele sol pra coroar de vez a tarde.

Então, o sol. Começou a bater nas nossas costas. Até aí, pega nada, a tal vitamina D, etc. e tal, a gente tira de letra. Mas começou a bater no equipamento. Vixe. No primeiro intervalo, tive de trocar a mesa de som de lugar e quando peguei nela, estava pelando. Eta. Problemas resolvidos, segue o baile.

No último intervalo, o som mecânico parou. Fui ver o que era, era o iPad, superaqueceu, desligou. Tive de guardá-lo em um lugar fresco, para o bicho esfriar.

Mas tranquilo. Toca o bonde. Aaaaíííí ……….

PUBLICIDADE | ANUNCIE

PUBLICIDADE | ANUNCIE

12 2 foto1Formou, lá no meio da baía, uma coluna de água, com trovões e tudo. Eu olhei e pensei cá com meus botões: ‘Pega nada, é por conta do calor, coisas de verão’.

Mas ela veio. Não demorou dois minutos. Água pra tudo que é lado. Instrumentos, equipamentos, cabos, tudo molhado ou molhando. Corre-corre. Foi no meio de um samba que Carlão cantava: ‘A cigana leu o meu destino’ ……

Bueno, panos, panos, enxuga tudo, não religamos alguns equipamentos por precaução, montamos um set up possível e tocamos mais trinta minutos, absolutamente por profissionalismo.

Aí é o ponto.

Algumas pessoas veem a nossa profissão como uma ‘eterna festa’, vocês não imaginam o que eu já não ouvi nesses tantos anos de carreira: ‘Que molezinha, só tocando um violãozinho’, ‘Vai trabalhar ou vai tocar?’ (minha própria mãe), ‘Nossa, está muito caro, só pra cantar umas musiquinhas’, etc. Fácil não. Mas então. Estudei música. Estudei canto. Estudei violão. Estudei contrabaixo. Pesquisas sem fim na música brasileira e mundial. Ouvir, ver. Compreender. Executar. Interpretar. Técnica. Compor. Ler. Informar-se. E essa é só uma parte. Tem a outra. Batalhar $ pra comprar bons instrumentos, equipamentos, mesa de som, caixa, microfones, cabos. Manutenção dos mesmos, cordas, afinadores, cara, se eu for enumerar item por item, não caberiam nesta coluna. Eu sempre digo que a culpa toda é de um tal de Esopo, que criou a tal história da cigarra e da formiga, a formiga trabalhava e a cigarra ‘só na viola’. Te contar, viu.

instrumentos

Mas o que eu quero dizer, mesmo, é que se compreenda que nossos instrumentos e equipamentos não são coisas de brinquedo, que os instrumentos de percussão, por exemplo, como tamborim, ganzá, pandeiro, baquetas em geral, não estão ali pro(a) ‘engraçadinho(a)’ pegar e ficar tocando. E pior, fora de ritmo. O microfone, que tanto(a)s adoram tomar à mão e cantar, cantar, custaram algumas centenas de reais. Ah, e as caixas acústicas não são porta-copos. Enfim.

Tenho três violões maravilhosos, que valem alguns milhares de reais. Mas mais do que o valor financeiro, eles tem histórias incríveis pra contar, que não tem preço.

Pena que não falam. Ou falam?

Besos a todes, inté.

LEIA TAMBÉM
Luiz Cláudio de Santos
Últimos posts por Luiz Cláudio de Santos (exibir todos)
0 0 votos
Classifique este artigo
guest
4 Comentários
Mais antigos
Mais novos Mais votados
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
Rosali Glória De Toledo
Rosali Glória De Toledo
3 meses atrás


Rosali Toledo
Rosali Toledo
3 meses atrás

Deu algum problema, mas agora vai. A crônica conta o eterno problema que os músicos enfrentam diariamente. Acompanho há mais de 30 anos a vida musical de Santos e infelizmente nada mudou. Ainda bem, que vocês são perseverantes.

Aldo Durante Jr.
Aldo Durante Jr.
3 meses atrás

Ossos do ofício Negron.

Barbara
Barbara
3 meses atrás

Coadjuvantes ou astros principais? Hehehe sensacional 👏🏽👏🏽

Scroll to top
4
0
Eu quero saber a sua opinião. Comenta aqui em baixo e vamos discutir esse assunto!!x
()
x