fbpx

Férias e a importância do ócio na nossa vida

Fotos colunistas elis borsoi

Por Elis Borsoi

férias


Quando falamos em férias ou quando chega o fim de semana, temos várias opções: podemos  pensar em viajar ou ficar sem fazer nada em casa, literalmente de pernas para o ar assistindo programas na tv que não agregam valor; podemos trabalhar e cumprir várias atividades em casa com a família, que podem ou não ser prazerosas, ou podemos usar esse ócio para praticar atividades que despertem prazer e aprendizados. 

         Esse é o conceito de “ócio criativo” que o italiano Domenico de Masi relata em seu livro de mesmo nome. Segundo ele, o futuro de um trabalhador é saber conciliar trabalho, prazer/descanso e estudos. Desta forma, a palavra “ócio” passa a ter um significado mais positivo, pois muitas pessoas ainda acham que tempo ocioso é um tempo desperdiçado na vida. Segundo ele, temos mais criatividade quando praticamos o “ócio criativo”. 

Esta semana estava praticando meu “ócio criativo” e assisti a um filme no Netflix (A vida pode mudar ou This Little Love of Mine, ano 2021), no qual a protagonista do filme, uma advogada workaholic, volta à ilha onde nasceu para convencer um amigo de infância a assumir a empresa da família. É um filme romântico, com belas paisagens naturais e que nos faz refletir sobre o “ócio criativo”, sobre a importância da qualidade de vida, do amor saudável em um relacionamento afetivo, do equilíbrio entre vida pessoal e profissional, da realização pessoal e de ser quem realmente somos de acordo com nossa verdadeira essência interior. 

Além do “ócio criativo” podemos também praticar o ócio contemplativo que é aquele em que contemplamos as coisas simples da vida como o nascer e o pôr-do-sol, a lua (mesmo que seja da janela, da varanda/sacada do apartamento ou do quintal de uma casa). O filme acima também mostra várias cenas sobre isso. Então, se escolher viajar nas férias, mesmo em tempos de pandemia, sugiro apreciar esses momentos de contemplação que podem trazer tranquilidade e paz interior.

Importante destacar que não há nada demais em ficar algum tempo deitado(a) no sofá sem fazer nada, apenas sugiro que, se fizer isso, tome cuidado com seus pensamentos porque eles podem controlar você e deixá-lo muito ansioso(a) ou depressivo(a). Quando isso acontecer, foque na sua respiração, pratique a Atenção Plena (Mindfulness) ou ouça uma meditação guiada, há várias disponíveis na internet. No próprio Netflix tem uma série de 8 episódios chamada “Headspace – Meditação Guiada”, que apresenta este tipo de meditação e propõe vários exercícios para melhorar a qualidade de vida.

Saiba que a culpa sempre vai existir. Se ficamos sem fazer nada podemos sentir culpa por estarmos “ociosos”. Se trabalhamos o tempo todo nas férias e não reservamos tempo para ficar com a família, nem nos divertir, também pode haver este sentimento. Então que tal praticarmos o “ócio criativo” e o ócio contemplativo? Assim, aprendemos, relaxamos, estudamos, nos divertimos e temos prazer na vida com as pessoas que amamos. 

            Saiba que o fato de você estar lendo este texto, já está praticando seu “ócio criativo”, pois a internet, se for utilizada com esse fim, nos traz tudo isso com apenas alguns cliques. Como tudo na vida, é importante haver um equilíbrio com relação ao uso da tv, videogames, celulares e notebooks, para que não fiquemos a cada dia mais viciados neles.

LEIA TAMBÉM
Elis Borsoi
5 1 vote
Classifique este artigo
Assine
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
Scroll to top
0
Por favor, comente.x
()
x