fbpx

Tantra e Pompoarismo: da Antiguidade para o dia a dia da mulher moderna

Virgínia Gaia

Por Virgínia Gaia

pompoarismo


Vivemos hoje em um mundo paradoxal. Temos alta tecnologia, a ciência que a cada dia nos beneficia com novas descobertas e uma rede virtual que democratizou a informação sobre temas que até há bem pouco tempo atrás eram censurados. Mas, por outro lado, quando o tema é sexualidade feminina, ainda estamos longe do que algumas antigas civilizações alcançaram com estudos e práticas relativamente simples, mas que fazem toda a diferença na vida da mulher. As práticas do Tantra e do Pompoarismo são a prova disso.

Pouca gente sabe, mas essas artes milenares têm uma origem comum. Os exercícios do Pompoarismo aparecem detalhadamente registrados, pela primeira vez, em meio às escrituras denominadas “Tantras”.  Foi a partir dessas escrituras, encontradas na região que circunda a Cordilheira do Himalaya, que também se originaram o conjunto de práticas a que se deu o nome de Tantra. De natureza genuinamente pagã, o Tantra reflete uma sociedade matriarcal, já que descrevia a mulher como Shakti, a iniciadora tântrica de sua contraparte masculina.

Dentre os grupos seguidores do Tantra que habitavam essa região na Antiguidade, os movimentos do Pompoarismo eram uma rotina na vida das mulheres, muitas vezes ensinados de mãe para filha, como preparação para sua futura vida sexual. Isso porque, dentro do Tantra, o sexo é visto como um meio para a experimentação de estados alterados de consciência e, portanto, deve ser vivido em sua plenitude. O fluxo da energia sexual permite ativar a Kundalini, a energia vital tântrica que conduz à plena consciência ou à Iluminação.

Com o passar do tempo, as constantes guerras e as invasões territoriais, os grupos tântricos foram se ramificando em diversas subdivisões. Esses fatos geraram um sem número de adaptações das práticas tântricas e, com isso, muito conhecimento acabou se perdendo ou sendo fragmentado. E assim aconteceu com o Pompoarismo que foi, aos poucos, se dissociando de suas raízes filosóficas e sendo mais explorado em separado, graças aos seus benefícios aos músculos circunvaginais. Tais exercícios tornaram-se populares na Tailândia, onde até hoje são largamente praticados.

No ocidente, o grande responsável por resgatar essas técnicas milenares para exercitar os músculos do assoalho pélvico foi o ginecologista americano Arnold Kegel. Com base em estudos e metodologia científica, Kegel conseguiu comprovar a efetividade dos exercícios que fez questão de catalogar. E o que ele descobriu foi que os exercícios do pompoarismo são úteis não somente para incrementar o prazer feminino, mas também para tratar um mal que ainda atormenta muitas mulheres: a incontinência urinária.

E daí é que nos deparamos com uma questão ainda intrigante. Parece incrível que em uma sociedade tão avançada como a nossa, ainda tenhamos muitas mulheres privadas desse conhecimento milenar tão essencial à saúde feminina. Por questões culturais, deixamos de educar as mulheres para que conhecessem seu próprio corpo.

Mas, por sorte, esse cenário já dá sinais de mudança. E, assim, tem se tornado cada vez maior o número de mulheres que buscam informação e têm acesso a essas técnicas tão antigas, mas com o poder de transformar a vida da mulher moderna.

LEIA TAMBÉM
Virgínia Gaia
Últimos posts por Virgínia Gaia (exibir todos)
0 0 votos
Classifique este artigo
Assine
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
Scroll to top
0
Eu quero saber a sua opinião. Comenta aqui em baixo e vamos discutir esse assunto!!x
()
x