As guerras do futebol

Ted Sartori

Por Ted Sartori

futebol
Ônibus do Bahia é atingido por bomba ao chegar na Arena Fonte Nova

Não é de hoje que muitos termos ligados ao futebol são metáforas de uma guerra. São facilmente identificadas: embate, tiro, atirou, duelo, batalha, torpedo, míssil, mini míssil aleatório, combate, ataque, defesa e, claro, guerra. 

Enquanto tudo isso fica no simbolismo, tudo bem. Os próprios jogadores sempre fazem questão de dizer que tudo se restringe aos 90 minutos de jogo. O problema é que tem gente de fora, infelizmente, levando isso a sério demais.

Em quatro dias desta semana, aconteceram três casos em que ônibus de delegações de equipes foram atingidas por pedras arremessadas por torcedores. 

Por um triz, o goleiro Danilo Fernandes, do Bahia, não ficou cego na quarta-feira, a caminho da Fonte Nova, palco do jogo diante do Sampaio Correa, do Maranhão. O lateral-esquerdo Matheus Bahia sofreu cortes nos braços. Mas o jogo acabou acontecendo e os baianos venceram por 2 a 0.

O mesmo não aconteceu no clássico entre Grêmio e Internacional, no Beira-Rio, neste sábado. O jogo foi adiado porque o ônibus do tricolor gaúcho também recebeu pedras. O meio-campista Villasanti chegou a sofrer traumatismo craniano e concussão cerebral, mas passa bem. Outros foram atingidos por estilhaços.

Também no sábado, o ônibus do Cascavel, do Paraná, foi atingido por pedras por parte dos torcedores do Maringá, ao deixar o Estádio Willie Davids, do time mandante. Duas arrebentaram o vidro traseiro. Felizmente nenhum jogador se feriu, porém a delegação abriu boletim de ocorrência.

PUBLICIDADE | ANUNCIE

PUBLICIDADE | ANUNCIE

Outro caso também aconteceu neste sábado e no Paraná, mas não teve relação com ônibus. Os torcedores do Paraná Clube invadiram o gramado do estádio da Vila Capanema nos úiltimos minutos da derrota para o União de Francisco Beltrão para bater nos jogadores. O time perdeu por 3 a 1 e foi rebaixado. Alguns chegaram a ser agredidos e tentaram se defender. Todos correram para o vestiário e a partida, naturalmente, foi encerrada antes do apito final.

Por outro lado, em meio ao ataque da Rússia contra a Ucrânia, jogadores brasileiros que atuam no país pedem ajuda para sair de uma guerra longe das quatro linhas. Enquanto isso no Brasil, quem acha que o futebol é batalha segue aterrorizando quem só deseja entrar em campo e fazer o seu melhor.

LEIA TAMBÉM
Ted Sartori
Últimos posts por Ted Sartori (exibir todos)
0 0 votos
Classifique este artigo
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
Scroll to top
0
Eu quero saber a sua opinião. Comenta aqui em baixo e vamos discutir esse assunto!!x
()
x