fbpx

O remendo xadrez 

Inês Bari

Por Inês Bari

remendo xadrez


Eu não gostava dos rojões. Dos estalos. Da explosão! Gostava do cheiro da festa junina. Cheiro de pólvora. Fumaça. O ardido nas narinas… Até hoje, isso me lembra um tempo feliz. Festa simples. Gente simples. Do interior caipirês do nosso país.  

E todo ano era igual. Já em maio, as professorinhas, dedicadas, começavam a combinar. Não havia muito o que mudar. Compravam as sedas. Faziam as bandeirinhas. Colavam no barbante. Vermelhas. Amarelas. Azulzinhas. Os meninos subiam nas escadas para enfeitar. O pátio do colégio ficava alegre. Com bandeiras, balões e fogueira. Sem fogo. Só toras de madeira. Tudo no centro da quadra de esportes, dando ar de São João. Era lá a quadrilha. Iam todas as famílias… 

Os ensaios começavam um mês e meio antes. Cansativos, mas divertidos. Dava pra matar umas boas aulinhas. Com o consentimento raro das professorinhas, que também dançavam festivas. Sofrido mesmo era ouvir durante horas e horas a mesma trilha sonora. Talvez a única música junina do mundo inteiro, tiro certeiro: Pararararararará… E lá ia a gente montar a quadrilha. Olha a chuva. Olha o túnel. Olha a cobra… 

E se de um lado a festa dava trabalho, de outro era mágico e engraçado. Ter um dente pintado, estragado, bem na frente da boca era o sorriso desejado. Calças de jacu nos garotos. Nas meninas, vestidos de chita com fitas e cores esquisitas. Vixe, como era “bão”! Remendos na roupa, então…  

remendo xadrez

Lembro uma vez, eu já tinha uns dez anos… Fui escolhida, pela terceira vez, para ser a noivinha. Talvez pelo fato de ser pequenina. Cabelos grandes. Sei lá… O fato é que eu e o meu parceiro Paulo José Barreiro (não sei porque as crianças lembram o nome inteiro dos amigos que há mais de quarenta anos conheceram…) fomos escolhidos, mais uma vez, para sermos o casal. 

Brava,  já em casa, expliquei para minha mãe quase chorando: – Mais uma vez, eu de noivinha! – Mas a noiva é a principal. Você não gosta dessa honradez?  – Mãe, será que você não entende… Eu gosto de remendo. Remendo xadrez!  Noiva não usa remendo xadrez…

E aquele cheiro de pólvora, voltou, subitamente, às minhas narinas…

 LEIA TAMBÉM
Inês Bari
Últimos posts por Inês Bari (exibir todos)
3.5 2 votos
Classifique este artigo
Assine
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais antigos
Mais novos Mais votados
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
Selma Cabral
5 meses atrás

Delícia de texto. E como era bom! Adoro festa junina, dancei muito na escola todos os anos e me envolvia em todos os preparativos, ajudava em tudo que podia e até mais. Tempo bom e de lembranças boas!!!

Scroll to top
1
0
Eu quero saber a sua opinião. Comenta aqui em baixo e vamos discutir esse assunto!!x
()
x